11 de jun de 2011

'Sabe assim quando

você vê o quanto tempo passou, e o tanto que você amadureceu nesse tempo comparado com as pessoas ao redor?'
(...) silencio,
'Sabe quando você percebe isso aí mesmo, só que ao contrário?'
'Porque, você se sente assim?'
'Sim.'

Acho que o ultimo ano do colégio é o mais cofuso de todos. A gente tem sempre que conciliar o simulado com o dia dos micos, o estudo da tarde com os fins de semana de party non stop. As conversas no meio da aula com o 'você querem estar no cursinho ano que vem de novo?' constante dos professores, o que vai criando aquele bichinho dentro da sua cabeça 'Será que não estou levando a sério o suficiente?'  Divido a resposta em dois grupos: quem quer medicina e quem não quer medicina. Não tenho muita certeza porque não conheço tanto o curso, mas acho que um ano em medicina faz um aputa diferença. Afinal, se você começar com 18 anos (e acreditem, estou sendo MUITO POSITIVA), só vai passar a receber parte do seu investimento lá pelos 28, sendo que o lucro mesmo, acho que dificilmente comece antes dos 33, nesse caso, acho que qualquer ano conta. Com quem não vai fazer medicina, acho que o negócio é mais tranquilo.
Acho que isso é coisa de brasileiro. Nos EUA, na Oceania e na Europa, você se só talvez vai para uma faculdade. Você pode trabalhar mais alguns anos, ou fazer intercambio, ou simplesmente não fazer 'nada' até decidir o que quer fazer. O que eu quero dizer é que faculdade logo após a formatura no Brasil (e até onde sei, no Japão tambem) é uma obrigação, não é uma escolha sua. Acho que isso é porque  no fim, brasileiro tem uma força sobrenatural de querer trabalhar para subir na vida. Se essas duas coisas andassem de mão dadas no nosso país, já éramos de primeiro mundo a muito tempo.
Mas anyway, a questão final para os outros cursos é:
Você vai levar com você as memórias dos dias dos micos, das festas, das risadas, da zuação na sala de aula, do cheiro da cantina, daquela aula que você disse 'fodas' e dormiu o dia todo, do aperto danado que você passou an sua recuperação, da sua festa de formatura, do dia que você matou aula pra ir com as amigas pro shopping, passar recadinho, descobir aquela super coisa na internet do celular,de ficar sentado nas escadas namorando/conversando esperando o sinal bater, daquela vez que você bateu boca com o professor, colocar o pé na cadeira, falar bastante merda, e até mesmo o cheiro da bebida (sim, as bebidas do ultimo ano de colegio tem cheiro diferente)
Duvido que você se lembra das muitas provas que fechou, daquele dia que você passou estudando porque não quis ir na festa/sair com o namorado. Duvido que leve alguma imagem detalhe ou cheiro caracteristico daquela aula que você decidiu não domir e assistiu igual um zumbi. Será que vale mesmo a pena se descabelar tanto, perder tantos momentos memoráveis por causa de um ano a mais na sua profissão? Sendo que ainda assim, você pode no final do ano, não passar? (não se esqueça, aquele 'irresponsável' que sentava do seu lado pode acabar se formando na faculdade na mesma turma que você) Sendo ainda por cima pode ser que você estava lutando todo esse ano por um curso que você descobre que não é o que quer? Vai voltar pro cursinho, e levar mais tempo pra decidir o seu curso.
Não acho mesmo que um ano a mais não vai parecer relevante quando você chegar aos 30  anos de profissão, do que esse ano pareceria agora, Ele teria sido me morável, e uma coisa na qual se apegar dos seus tempos de juventude quando tiver terminando aquele projeto no tempo impossivel que seu chefe impôs
Pense bem: deixar um ano passar totalmente em branco por estudar/trabalhar/não viver por si só é uma coisa que você pode fazer vários anos da sua vida. Mas o ultimo ano do colégio vem só uma vez. E a não ser que você consiga se tornar incrivelmente rico, é o seu último ano de liberdade total. Mas talvez isso seja só minha nostalgia ou meu lado irresponsável i-dont-fucking-care falando. Só talvez.


PS: Não se preocupe, meus esudos vão bem, obrigado. Por sorte, o que eu quero fazer não exige que eu abra mão tanto da minha liberdade, e acredito que seja sim possível você conciliar festa e estudos ao mesmo tempo. A não ser que queria fazer medicina, RÁ se fudeu

Um comentário:

Larissa disse...

Rá, me vudi! =)