28 de set de 2011

1.8

 (texto comemorativo do momento 'mudando minha idade na descrição no perfil do blog hehe)
Eu nasci em agosto de 93. Acho que foi uma data muito certa, porque me fez leonina e eu não aceitaria ser outra coisa. Acho que se eu fosse de outro signo eu não acreditaria em signos. Minha mãe disse que eu custei a começar a falar, mas que depois que comecei não parei até hoje. Desde pequena gostava de aparecer, o que me garantiu papel principal duas vezes em um grupo de 60 alunos quando eu era pequena. Não gostava de balé. Sempre fui muito apegada a minha mãe. Quando era pequena eu descobri que chorar me dava o que eu queria e faço isso até hoje. Isso me ensinou a ser capaz de conseguir tudo o que eu quero, de nunca desistir até que minha vontade seja feita. De alguma forma, sempre escolhi meus amigos. Você vai ver que nenhum deles é tímido demais ou inseguro demais. Se você acha que algum deles é, com certeza ele fez alguma coisa que ganhou meu respeito. Ao mesmo tempo, meu grupo de amigos é muito fechado. Talvez por passar tanto tempo mantendo antigas amizades eu não tenha me importado o suficiente em fazer novas, mas não ligo. Não vou dizer que são poucos, mas são tudo o que eu tenho. Me importo com cada um deles. Tavez isso esteja errado, porque você sabe, a gente deve se importar com todo mundo. Mas eu me importo só com meus amigos e quase nada com o resto. Antes dos meus amigos vem a minha familia. Em familia só incluo meu pai, minha e mãe e minha vó, que tenho certeza que me quer bem. O resto é parentada, é só laço de sangue (que ao meu ver não vale tanto assim). Não sou próxima de nenhum dele e não sinto que eles um dia fariam alguma coisa de verdade por mim, embora um dia talvez eu me surpreenda por pensar assim. Minha prima se encaixa nos meus amigos. Quando eu era pequena nadei por dois anos, mas larguei asim que a mulher começou a exigir mais de mim e querer me colocar em competição. Acho que essa foi a primeira coisa que os outros viram em mim, tentaram me obrigar a fazer e eu acabei desistindo. Acho que vou fazer isso a vida toda. Sempre lutei, por exemplo com professores de matemática. Sempre foram muito metidos na minha vida dizendo ‘Tainá, se você estudasse um pouquinho poderia estar junto com as melhores da sala’, e até hoje eu não vejo vantagem nisso. Se não me interessa fazer não me importo se você vê potencial em mim. Eu tambem era boa em esportes. Cheguei a ser escolhida a capitã do time de queimada e fiquei muito feliz com isso. Hoje não gosto mais de esporte nenhum. Nunca sofri exclusão social nem me envolvi em muitas brigas. Mas sempre gostei de saber de tudo e de rir. Como já disse, eu choro só por bobagens até hoje. E por amizade tambem. Fora isso, é dificil me ver chorar. Não choro direito por mortes nem por homem. Não me importo muito com animais, prefiro gente. Sempre gostei de detalhes, de ver coisas onde os outros não veem. Eu gosto de olhares, de pequenas palavras, de perfumes, música com vibe e pequenos gestos. Mas só gosto de quando tudo isso é feito sem a intenção. Criei antipatia contra palavras ou poesias, acho tudo isso muito superficial. Acho que por isso nunca gostei de atitudes românticas, as vejo sob uma ótica falsa e muitas vezes inutil (como dar flores de presente, ora essa, o que vou fazer com flores?). Fui me apaixonando cada vez mais pela dança. A dança é capaz de transmitir tudo sob uma outra atmosfera, em que as coisas não são ditas mas mesmo assim a mensagem é passada. Apesar de não dançar tão bem. Acho que logo depois da família e da amizade, viria o dinheiro. Sei que está errado, mas tambem não ligo. Adoro dinheiro e acho que ele é capaz de trazer felicidade sim. Claro que amor, amizade e saúde é essencial, e sem elas o dinheiro não valeria de nada, mas não acho que isso tire a importância dele. Eu queria ter nascido rica. Rica de verdade. Viajaria o mundo todo, leria zilhões de livros e tenho a oudácia de dizer que nunca me cansaria disso que muitos chamariam de ‘vida vazia’. Gente se estressa sobre coisas pequenas (como trabalhos de escola, que é um ótimo exeplo) me cansam extremamente e não me dou bem com nenhuma delas. Tambem odeio gente que não sabe se impor ou se defender, não consigo nem ficar perto. Acho que na vida existe tempo e idade para tudo, e essa é minha época de liberdade. E não me arrependo em nenhum momento de pensar assim. Rebeldia na sua atitude mais ‘foda-se’ me atrai. Sou imediatista e penso a curto prazo, apesar de ainda assim ter responsabilidade de consequências maiores. Apoio capitalismo e acho que tudo no mundo ainda é muito mais ‘lei da selva’ do que ‘somos animais racionais’. Mesmo assim queria que todos tivessem as mesmas oportunidades e todos tivessem que fazer por merecer. Acho que o banho é o melhor lugar do mundo para pensar e tomar decisões. Gosto de perfumes cítricos. Nunca os confunda com frutais, porque odeio perfumes frutais. Adoro sotaques britânicos. Adoro doces. Porque me eles me fazem feliz. Quero dizer, o sotaque britânico e os doces.Gosto tambem de tudo que tem gosto forte, como queijo, alcaparras, mostarda e molho pesto. Gosto de ser magra e não conseguiria me ver feliz se fosse gorda.Talvez eu não seja tão feminina quanto queria. Tenho preguiça de descolorir, não gosto de anéis e ainda roo as unhas. Mas fico feliz de não gostar de maquiagem, porque no excesso acho incrivelmente falso e feio. Fico entediada facilmente, e chega um ponto que é dificil manter minha atenção. Gosto de gente que faz diferença na minha vida, mesmo que seja um estranho qualquer que vi na rua. De alguma forma sempre me dividi entre o normal e o alternativo. Gosto de animes, e fui pra porto seguro. Brincava de boneca mas passava horas no computador. Adoro uma festa, de dançar com música alta e de rir e sair com os amigos. Mas para mim isso tem quase o mesmo valor que ficar trancada no meu quarto de pijamas lendo um bom livro. Me perco pelo playboy, mas apaixono pelo nerd. Sou fã da agitada Nova York, mas conseguiria ficar muito tempo confinada na ilha Santorini, area pesqueira e simples da Grécia. Odeio frio. Gosto do céu azul, com sol, e por mim poderia ficar assim o ano inteiro, combina perfeitamente com meu humor. Tinha medo de chuva, mas hoje não tenho mais. Queria voltar a ter 13 anos. Não gosto de homens loiros. Não ligo para o que os outros acham de mim. Acho que é possivel a inveja ser mais forte que o amor.A esperança move o mundo. Uma única pessoa é capaz de fazer a diferença. Gosto do cheiro de fogo e de gasolina. Odeio pensar demais ou ter muito na minha cabeça. Isso me deixa incrivelmente perdida. Por isso, escrever sempre funcionou para mim. Nunca me importei se alguem lê, se alguem gosta, se está bem escrito, ou se sequer faz sentido.Escrevo porque me faz sentir bem, faz o tempo passar e esavia minha mente. Como agora, por exemplo.

Nenhum comentário: