12 de dez de 2011

three and you're out.

Assim que saiu, ela se arrependeu. O tal do Rich estava ali, encostado do lado da porta, fumando, mas sem fones. Estava sob o toldo da lanchonete, mas ainda chovia e fazia frio.  Ela não tinha nem um centavo para pegar taxi. Esfregou os braços, arrepiada com o frio. O garoto parecia não parar de olhar para ela. Ela olhou para ele, e ele olhou pra baixo. Ela desviou o olhar. Achou um cigarro perdido no bolso. Mas não tinha isqueiro. Brilhante. Contou até 3 e se virou, olhando-o lentamente.
-Tem fogo?- ele assentiu, erguendo o isqueiro. Ela se aproximou, acendendo-o. Deu um trago.
-Quer dizer que a princesinha fuma? - ele perguntou, incrédulo.
-Ocasião especial - e deu um sorriso cínico, virando pra frente de novo. Ele riu - Por que, a princesinha não pode fumar?
-Não, só achei que fosse mais esperta. Mais esperta do que eu vi lá dentro.- ele estava começando a dar nos nervos dela.
-E você é muito esperto por ter ouvido a conversa não é? Ele me trata melhor do que isso. É culpa dos amigos babacas. E do alcool. - ela falou, dando mais um trago, tentando convencer a si mesma.
-Não é da minha conta - disse ele, rindo um pouco. Ela virou para frente, fingindo que não ouviu. Ficou calada. A chuva foi diminuindo. Rich passou na frente dela. Estava abrindo o cadeado que prendia uma moto na frente dela.
-Uma Harley? Mesmo? - agora sim ele parecia supresa.
-O que? A princesa entende de motos tambem agora? - disse ele, se levantando e se virando para ela, arrumando o casaco.
-Está escrito. - ela balançou a cabeça - Mas costumava. Meu pai sempre me levava junto com ele nos fins de semana, até eu fazer 11. Era apaixonado.
-Era?
-Sim. 'Andar de moto não dá dinheiro'.- Rich riu, pegando o capacete.
-Então ele não era um amante de verdade.
-Você tem que ser sempre assim tão chato? - ela perguntou.
-Não quer andar mais uma vez? Vamos, posso te dar um carona.- ele ofereceu o capacete à ela. Ela olhou para os lado, sem saída.
-Claro. - e pegou o capacete. Ele tirou o casaco e o estendeu.
-O que?- ela olhou. Ele usava uma camiseta branca, ela olhou os braços dele. Legal.
-Pegue oras ! - ele respondeu impaciente - ou prefere morrer de frio, nessa roupa, de moto, na chuva?- ela sentiu um 'que' quando ele  disse 'nessa roupa'. Ela puxou o casaco da mão dele de mal grado, e pos o capacete, passando a mão da cintura dele. Ele estava quentinho e parecia malhar razoavelmente bem. Ele baixou a viseira preta. Ela ouviu o ronco da moto. Aaaah, ela se sentiu em casa. Ele acelerava muito. Ela piscou lentamente, sentindo o vento, e o perfume dele sendo soprado na direção dela. Hm, e ele cheirava bem.

Nenhum comentário: