20 de mar de 2012

setting fire to our insides

Sabe, sempre achei meio ridículo isso da pessoas falarem que adquiriram uma tal doença por causa de fulano ou de ciclano. Afinal, foi vc mesmo quem absorveu as coisas errado e tá vendo o resultado aí, não foi a pessoa que falou 'muhuhahahah, vou fazer isso com vc pra vc ficar doente'. Mas sendo filha de psicóloga, concordo que as coisas que a gente absorve e a maneira que lidamos com elas podem sim ser refletidas em algo que acontece no nosso corpo, principalmente o que muitas vezes não conseguimos colocar em palavras. Eis que em agosto do ano passado começou a acontecer uma coisa comigo. Custei a notar. Eu já tinha uma consulta de rotina marcada e uns 3 dias antes da consulta falei com minha mãe sobre isso que estava acontecendo. Na consulta, acabei mencionando, e o médico me deu a resposta. Fui pesquisar.
'Dá principalmente em mulheres adolescentes. É bem raro. Uma vez que a pessoa tem, não tem mais. Some de 6 a 8 semanas. Não tem causa conhecida.'
A coisa em si não me perturbou, mas sim a descrição dela. Todas essas coisas que não tem causas conhecidas, e principalmente que aparecem e desaparecem sozinhas dependem muito mais de um fator psicológico do que um agente externo. Como já faziam quase as 6 (ou 8) semanas, eu não usei nem uma semana q já tinha sumido tudo. Fingi que não tinha nada a ver com a minha relação com certa pessoa (e que devo dizer, trata de um problema um pouco semelhante demais à esse para meu gosto)(já percebi que essa pessoa me faz detonar minhas unhas tambem). Não liguei, afinal, tinha passado, não tinha? Ótimo.
Alguns meses, semanas ou whatever atrás eu fiquei com uma pessoa que eu não devia. Não que não devia, mas tinha um motivo preu ter escolhido exatamente essa pessoa preu ficar. Com certeza não me arrependo, mas me serviu de alerta para pensar em coisas que eu estava internalizando sem perceber. Teimosa, continuei internalizando porque me proibi de falar com a tal pessoa. Há algumas semanas atrás, a coisa voltou.
'Mas espera, não era meio raro? Não é que não tinha causa? Não é que a pessoa adquire imunidade?' Você se pergunta. 'É, é verdade' eu respondo. Desde que voltou, estou passando a pomada e nada, parece que vou ter q esperar as tais 6 ou 8 semanas. Está ainda mais espalhado. Não posso negar. São casos parecidos. Agosto, março. Tudo indicava que não ia mais acontecer, mas aconteceu. Por outro lado, minhas unhas vão bem, obrigado.
Vou esperar as tais semanas passarem e torcer pra não voltar mais. Afinal, o que mais eu poderia fazer?

Nenhum comentário: